330 Shares 7672 views

Quem ganhará, TV ou computador?

Agora, existe uma situação no campo da tecnologia de alta tecnologia, que a tecnologia de televisão moderna tem que funcionar cada vez mais como um computador regular. Isso não é uma homenagem à moda, mas uma necessidade severa. E se tudo for claro com o tamanho e a qualidade da tela (aqui deve, a priori, estar em uma altitude), então com funções de computador estritamente especializadas, tudo não é tão inequívoco.


Tome, por exemplo, o navegador embutido, a navegação no qual é executado pelo controle remoto e a conexão com a Internet é fornecida via Wi-Fi sem fio. Essa opção está realmente em demanda? Curiosamente, é muito exigente. O fato é que muitos usuários não querem entupir sua atenção com detalhes e materiais desnecessários. É muito mais fácil para eles assistir conteúdo interessante (filmes, programas de TV) diretamente do navegador no modo online, o benefício de recursos que funcionam somente com qualidade HD é suficiente. Para aqueles que preferem realizar todas as operações em seu computador, as TVs das marcas líderes oferecem usar uma unidade flash convencional. O conteúdo da unidade flash está conectado à TV no conector USB, é lido e reproduzido. Este recurso é muito conveniente para aqueles que baixaram o filme na Internet em seu computador e querem vê-lo na tela grande. Ainda assim, o home theater a este respeito é muito melhor.

Os produtores de grandes painéis de TV tendem a adicionar todos os tipos de funções ao máximo, então não foi pior do que o de um vizinho. E o fato de que eles são de pouca demanda ninguém se importa. Por exemplo, a capacidade de gravar um programa de TV diretamente da tela em uma unidade flash nunca é usada. Também um pouco embaraçoso é a teimosia maníaca com a qual as corporações líderes da Samsung, Panasonic, Philips, Sony e outras empresas estão tentando equipar seus modelos com funções 3D. E não importa que o lado técnico aqui esteja longe de ser perfeito. A principal coisa que era como um vizinho. Às vezes, exemplos realmente valiosos se deparam, onde 3D não é um som vazio. O robusto Philips 47PFL6097T, de quarenta e sete polegadas, oferece ao usuário a escolha da profundidade do 3D. Com uma frequência de 600 Hertz e um trilhão de cores, esta opção sempre estará em demanda.

Vamos para o lado visual. Uma pessoa longe do lado técnico da questão pode pensar que todas as telas são as mesmas. Não é assim. As empresas estão investindo porcentagens impressionantes de vendas no desenvolvimento de suas próprias soluções tecnológicas, buscando ignorar concorrentes. Cada fabricante possui vários modelos emblemáticos, onde os refinamentos científicos tornaram-se práticos. Aqui e uma taxa de quadros alta, e excelente renderização de cores, e a densidade de pixels por polegada, e o número de cores, e a resposta da matriz, e assim por diante. Um padrão comum era a possibilidade de pendurar uma TV LCD ou plasma diretamente na parede. Uma coisa é certa. As tecnologias implementadas foram muito adiantadas, mas os produtores de conteúdo estão significativamente atrasados.

Ainda assim, a fusão de TVs e computadores é improvável, caso contrário, teria acontecido. Se uma pessoa é mais preferível para se comunicar em redes sociais segurando um tablet, enquanto outra é mais conveniente para digitar diálogos em um teclado de mesa, então o terceiro precisará aprender notícias da internet deitada no sofá. TV e computador continuarão a se complementar em muitos aspectos. Mas há uma tendência preocupante para ambos. É promover as tecnologias de espaço virtual, óculos 3D e meios de manipulação neste ambiente. A introdução de tais inovações eliminará qualquer produção de painéis de uso compartilhado (televisores, monitores).

A seguinte conclusão é feita. Em certas circunstâncias, ninguém ganhará, e haverá alguns perdedores. Aqueles que ganham no tempo mudarão suas linhas de produção para novos trilhos.