844 Shares 2902 views

Quão importante é a consistência da fala?

Muitas profissões, especialmente aquelas que estão diretamente relacionadas à necessidade de uma comunicação constante com as pessoas, exigem a posse de oratória, retórica e, conseqüentemente, a cultura da fala como um todo em um nível alto.


A cultura do discurso combina as qualidades projetadas para ter o máximo impacto no destinatário, dependendo da situação, das metas e dos objetivos. Assim, a qualidade do discurso depende diretamente dos conceitos:

  • Precisão;
  • Inteligibilidade;
  • Correção;
  • Expressividade;
  • Riqueza e diversidade;
  • Pureza do discurso.

Das três primeiras qualidades segue um conceito como a lógica da fala, que tem significado no aspecto de transmitir informações para o ouvinte e assegurar sua percepção correta.

A lógica do discurso implica a capacidade de expor consistentemente os pensamentos. Também é necessário expressar seu conteúdo consistentemente e razoavelmente.

A lógica da fala em suas funções é semelhante à precisão. Ambas as qualidades caracterizam o conteúdo, ligado à realidade e ao pensamento. Mas a lógica considera a construção das unidades linguísticas, a própria estrutura da fala sob o ângulo de cumprir as leis da lógica e a correção do pensamento, a coerência e a significância das frases. Existem dois tipos de lógica: objetiva e conceitual.

O objetivo implica a correspondência da narrativa sobre as inter-relações dos fenômenos e objetos na realidade. A lógica conceitual relaciona a adequação da construção do pensamento e seu desenvolvimento significativo. Essas duas espécies estão inextricavelmente ligadas. Embora possam ser divididos intencionalmente, o que é freqüentemente encontrado em ficção, contos de fadas, literatura mística ou como resultado de erros lógicos que podem ser admitidos no processo de pensamento.

A arte de expressar livremente os pensamentos de alguém implica não só a fala lógica, mas também a ausência de erros.

As leis básicas da lógica, às quais o pensamento humano como um todo está subordinado, são observadas em todos os estilos de fala. Essas regras devem ser rigorosamente respeitadas ao apresentar informações em um estilo científico, uma vez que a lógica enfatizada e a singularidade dos enunciados é uma das características específicas que dita o uso e organização de ferramentas linguísticas de um estilo científico. Na linguagem literária, essas regras não são tão fundamentadas e, às vezes, deliberadamente violadas para criar personagens mais profundos.

Erros na fala podem ser associados a fracas habilidades de linguagem ou estilística. Outra vez, eles são completamente justificados na ficção.

Os linguistas modernos distinguem dois tipos de normas: estritamente vinculativo (imperativo) e reabastecimento, ou seja, não é estritamente obrigatório (descartável).

Normas imperativas são obrigatórias, sua violação dentro da cultura da fala é inaceitável, basicamente essas regras se aplicam à gramática (a correção das conjugações, declive, acentuações, nascimentos e outros). Essas normas são caracterizadas por uma singularidade rigorosa.

As normas descartáveis não possuem tais restrições e permitem opções estilisticamente diferentes ou neutras. Aqui, a avaliação ocorre no nível de justificação do uso de uma unidade de linguagem no contexto do uso de um estilo específico.