269 Shares 9690 views

Contas a pagar e suas regras de write-off

O primeiro é definir claramente o que é contas a pagar. Sob este conceito implica as dívidas totais da entidade económica a todos os credores. Ou seja, aqueles fundos para ser devolvido na íntegra depois de um determinado período de tempo.


As contas mais comuns a pagar aos empreiteiros, como regra, fornecedores de materiais e matérias-primas, bem como compradores de produtos acabados. Regularmente existem obrigações para com os funcionários para o trabalho realizado.

Mas nem sempre, uma organização pode pagar a dívida; Neste caso, as contas disponíveis a pagar afeta significativamente o desempenho financeiro. Isso se reflete especialmente no nível de liquidez e solvência da empresa, é precisamente nestes critérios, os investidores julgar a conveniência de investir. Além disso, se houver um valor a pagar no balanço, que não tenha sido reembolsado no tempo, a contraparte tem o direito de recorrer ao tribunal. Neste caso, o mutuário terá que pagar não só o montante da dívida na sua totalidade, mas os subsídios também fornecidos na forma de multas, penalidades ou danos apurados.

Entende-se que um longo período de dívidas pendentes a fornecedores e outras pessoas podem levar a consequências graves, como falência, ou seja, um total incapacidade da empresa para levar a cabo suas atividades no futuro. Há duas maneiras de recuperar dívidas: o judicial e o chamado reivindicações, ou extrajudiciais. A primeira envolve o fornecimento de uma ação judicial, ea expectativa de uma investigação mais aprofundada, e de acordo com o segundo lado decidir autonomamente como e em que montante é reembolsado contas a pagar.

Em contabilidade, muitas vezes há uma situação em que há o montante da dívida que não serão devolvidos para o credor. Essa dívida deve ser amortizado e com o direito de exibir na balança. Assim, o cancelamento da dívida só pode ser exercido no termo do prazo de prescrição. Como regra geral, ela é definida por uma autoridade judicial e é normalmente de três anos, desde que o mutuário tinha que cumprir a obrigação na íntegra. Normalmente, o contrato entre o credor eo devedor, indicando a data de vencimento final, em seguida, o prazo de prescrição começa a contar a partir do dia seguinte a essa data. Mais cedo, o alívio da dívida só é possível em caso de falência e liquidação.

Se a organização tem dificuldades financeiras temporárias, deve notificar o credor. Com base na informação disponível é estar a pagar reestruturados, que é encontrar um compromisso e a criação de condições mais favoráveis para o desempenho inicial de obrigações. Assim, o credor pode estender o reembolso do empréstimo ou criar um novo cronograma de pagamento parcial da dívida com a mesma data do último pagamento. Alguns apresentar alternativas na forma de reduzir o montante da dívida tendo em conta o reembolso antecipado ou substituição de outra dívida que é feito de refinanciamento. Isso é feito para reduzir o risco de inadimplência e garantir a obtenção de, pelo menos, parte do pagamento.

Devemos também destacar métodos tal reestruturação como crédito, inovação e para a hipoteca. Compensação de créditos recíprocos é realizada somente se as partes estão vinculados pela natureza homogénea das obrigações mútuas e muitas vezes dinheiro. Se o montante da dívida de uma empresa é menor do que o outro, então o crédito é emitido para uma quantidade menor. Quando a pagar serão recolhidos por meio de novação, as partes decidirem sobre a responsabilidade é substituído por outro dever equivalente. Se ainda mais o retorno da dívida é uma grande questão, então você pode usar a queda-back. Segundo este método implica o pagamento de dívida sob a forma de outros ativos, um ativo ou dinheiro. O mutuário pode pagar o imóvel somente se ele não está fornecendo qualquer empréstimo, e se a outra parte tenha dado o seu consentimento, que está interessado em este método de pagamento da dívida.