519 Shares 3436 views

A política externa da URSS na 30-40s

A situação internacional, em que o desenvolvimento da URSS no período pré-guerra, foi muito difícil. Havia tensões no Extremo Oriente e Europa. As potências capitalistas do mundo secretamente preparando para a guerra. Na Alemanha, o poder foi transferido para o partido nazista. Todas estas coisas apontam para o fato de que a situação do mundo está rapidamente se aproximando conflito armado.


A política externa da URSS nos anos pré-guerra foi determinada por vários fatores.

Primeiro de tudo, deve-se notar que o equilíbrio de poder no cenário internacional mudou consideravelmente na década de 30 – 40 anos. Na maior parte, essas mudanças estão associadas à ocorrência do primeiro estado e do sistema social do governo, o agravamento das contradições entre as colónias e a metrópole. Igualmente importante foi o desenvolvimento suficiente e intensiva da economia alemã – governo, insatisfeito com sua posição internacional.

As mudanças também afetaram a natureza do conflito armado iminente. A disputa entre as potências imperialistas para a redivisão do mundo tornou-se um confronto entre os próprios poderes, bem como a oposição a toda a unidade com o país do outro sistema sócio-econômico – a União Soviética.

A política externa da URSS, apesar de tudo, continuou de forma pacífica. Estado se opôs abertamente a ocupação da Checoslováquia. A União Soviética, o país ainda ofereceu ajuda militar. Mas Tchecoslováquia recusou.

A política externa da URSS até o ano de 39, é considerado um modelo de compromisso para evitar a guerra, para parar o agressor. A União Soviética era naquele tempo o inimigo mais implacável do fascismo.

Mas, no verão de 1939, a posição mudou. Em setembro do mesmo ano acordos e protocolos secretos foram assinados, nos termos dos quais, a União Soviética ea Alemanha são praticamente parceiros.

Este por sua vez, está ligada a vários fatores. Note-se que a situação no mundo para o ano de 39 não permitiu que a União Soviética para lutar sozinho. O país tinha de garantir a sua segurança. Nesta situação, a política externa da União Soviética poderia ir de três maneiras. O Estado poderia continuar a ser deixado sozinho, para assinar um acordo militar com a França ea Grã-Bretanha, ou a assinar um acordo com a Alemanha.

Assim, no verão de 1939, as negociações entre a Grã-Bretanha, França e União Soviética para assinar um pacto de assistência mútua e a formação de uma coalizão anti-alemão.

A política externa da União Soviética antes do início do conflito militar foi caracterizado pela controversa. Isso se deveu não só para as peculiaridades da situação internacional na época, mas também com a originalidade da burocracia no partido e do estado liderança da União Soviética.

O período pós-guerra, o estado experiente é bastante difícil. Na década de 50 – 60 anos começou a estabelecer um novo quadro político e econômico no país. A política externa da União Soviética nos anos do pós-guerra começou a mudar seu curso. Ao mesmo tempo, as mudanças fundamentais que ocorrem na sociedade.

Após a guerra com a Alemanha, a URSS foi reconhecido como um grande país. Diferentes poderes do mundo têm procurado estabelecer relações diplomáticas com o Estado.

O sentido mais importante na política externa da União Soviética era garantir a segurança das fronteiras e da luta contra o desenvolvimento de um novo fascismo.

Nós tornou-se relações mais estreitas entre a URSS e os EUA. Graças aos esforços de diplomatas americanos e soviéticos foram capazes de formar o Banco Mundial, a ONU e outras estruturas que são fundamentais na criação de ordem econômica e política. Além disso, uma vez que a URSS teve lugar (juntamente com a China, França, Grã-Bretanha e América) no Conselho de Segurança da ONU.