855 Shares 8195 views

"Guerra e Paz" – os problemas do romance. "Guerra e Paz", L. N. Tolstoy

O romance "Guerra e Paz", o trabalho fundamental do grande escritor russo, Conde Leão Tolstoi, foi escrito entre 1863 e 1869.


O autor criou a idéia do trabalho muito antes de escrever, referindo-se ao tema da revolta decembrista que ocorreu em São Petersburgo em 14 de dezembro de 1825. Leo Tolstoi começou a mostrar a vida da sociedade russa da época e, como o movimento de oposição de várias sociedades secretas com a participação dos Decembristas era o mais radical e significativo na vida política do Estado russo, o escritor decidiu usar esse tema como base de seu trabalho.

A interpretação do romance

No rascunho do prefácio para a futura obra-prima literária "Guerra e Paz" do problema do romance, Leo Tolstoi chamou a busca do personagem principal. O escritor assumiu que esta seria a imagem de um Decembrista, um dos heróis da época, retornando com sua família para seus lugares nativos depois do exílio. No entanto, o enredo do romance exigia uma descrição característica do personagem principal desde o momento da sua juventude, e, portanto, era necessário retornar cerca de 20 anos atrás, em seu passado. O escritor decidiu começar a história exatamente a partir de 1805 em diante. Ao mesmo tempo, o tema geral da novela "Guerra e Paz" exigia uma interpretação mais ampla do que aquela que a história dos Decembristas revelou, e assim, no decorrer da redação do romance, a guerra contra Napoleão e eventos relacionados a ela de uma forma ou de outra .

A atenção do escritor foi transferida para a Guerra Patriótica de 1812, e também para o período anterior à invasão do exército francês liderado por Napoleão Bonaparte. No entanto, vários capítulos do trabalho inacabado de 1860 sob o nome "Decembristas" Tolstoi utilizados na novela "Guerra e Paz". Os problemas do romance foram a construção de um enredo que, de acordo com a intenção do autor, era cobrir quase um quarto de século da história do povo russo e do exército russo. O escritor conseguiu, ele lidou com a tarefa brilhantemente.

Exemplos de heroísmo na novela

Tolstoi, Leo Nikolayevich, escreveu seu trabalho de época "Guerra e Paz" por seis anos, análogo à profundidade e força da narrativa de romances na literatura mundial, não existe mais. A novela impressiona com as imagens, cada personagem é registrada com um alto grau de confiabilidade, o heroísmo dos soldados russos é óbvio – eles estão lutando por uma causa justa, para suas famílias, para sua terra natal. Um exemplo disso é o capitão Tushin e sua bateria, que manteve a ofensiva do inimigo. A coragem sem precedentes do exército russo na batalha no campo de Borodino, quando o destino da Rússia foi decidida, é descrito pelo escritor com um naturalismo assustador, mas todas as palavras nas páginas do romance são sem dúvida verdadeiras. A moral dos franceses, é claro, não suporta qualquer comparação com o moral dos soldados russos, e, em geral, a base principal para a vitória do exército russo foi estabelecida. Todos os personagens de Tolstoi se refletem no romance como patriotas de suas terras.

Literatura e pintura

Ao escrever o trabalho "Guerra e Paz", os problemas do romance também estavam no fato de que era a ficção, o campo mais amplo, um mosaico de destinos humanos. Os personagens de Leo Tolstoi são escritos em traços sutis e precisos, suas habilidades literárias podem ser comparadas às pinturas de Paolo Veronese, que também passaram todas as pautas nos rostos de seus heróis nas imensas telas do Palácio dos Doges de Veneza e os heróis dessas centenas.

Valor artístico do trabalho

Na novela "Guerra e Paz" Tolstoi apresentado nas páginas de todos os estratos sociais, de um simples soldado ao imperador e sua comitiva. Mostre todas as categorias de idade, diferentes classes, ricas e pobres, respeitáveis e desonesto, saudáveis e doentes. A sociedade russa, as classes mais baixas e a classe média, o czar e seus assuntos – encontraram um lugar na maior obra literária da época.

A arte do trabalho está estreitamente interligada com as realidades da vida, uma multidão de plebeus, a parte marginal da sociedade às vezes é uma força selvagem incontrolável, impulsionada por um impulso. A cena do assassinato de Vereshchagin é um exemplo. A brutalidade sem fundamento, como resultado do impulso, desaparece em seu caminho – como é o povo russo, a história conhece vários exemplos semelhantes. Este é o principal significado da novela "Guerra e Paz" – para mostrar a sociedade russa, todas as suas vantagens e desvantagens.

Filosofia da novela

Ao longo do romance, Leo Tolstoi tenta compreender o início primordial da vida de um homem russo, para determinar as causas da espontaneidade de suas ações. A filosofia do trabalho reside no fato de que a vontade e a habilidade das pessoas individuais desaparecem em vão, se não entrarem em contato com a realidade, afaste-se do que está acontecendo. O único serviço altruísta da idéia pode encorajar uma pessoa a lutar por uma causa justa, trazê-lo para os campos de batalha, forçá-lo a aceitar a morte por certo.

Características

Numerosas imagens da novela "Guerra e Paz" são apresentadas pelo autor inteligentemente, com uma descrição de cada personagem. Daí a atitude especial e respeitosa do escritor para Kutuzov, que não é forte com o talento estratégico e o heroísmo do guerreiro, mas com o fato de que ele percebeu o único método pelo qual ele pode lidar com Napoleão. Daí a negação de Tolstoi das qualidades pessoais do próprio Napoleão, que se gabava de suas conquistas, atribuindo-lhes sua exclusividade imaginária. O escritor não poupou as cores ao descrever um simples soldado Karataev Platão, que, de acordo com Tolstoi, reside na hipóstase do maior sábio, apenas porque ele se percebeu como parte do todo, social e jogou sua individualidade.

A responsabilidade do escritor

Filosofia Leo Tolstoy não é sobre o raciocínio sobre o assunto, como é geralmente o caso da maioria dos escritores, mas em uma análise meticulosa dos menores detalhes dos eventos que ocorrem na sociedade, bem como na sua brilhante capacidade de unir os detalhes dispares em um, criando uma imagem completa e assinando com o seu Nome. A responsabilidade de Tolstói é sentida em cada capítulo de seu trabalho imortal, fascina o leitor, que gradualmente começa a pensar em uma direção com o autor.

Personagens

No trabalho "Guerra e Paz", os problemas do romance também estavam no fato de que era necessário designar todo o exército russo como um dos personagens principais. Um fio vermelho no trabalho é o tema do apoio incondicional a soldados e generais pelas pessoas. Limpe a terra russa da invasão – todos pensaram sobre isso: oficiais, soldados, camponeses, trabalhadores, funcionários. A identidade do povo russo não poderia ser violada por invasão de fora, isso não se encaixa na mentalidade da sociedade russa e, em caso afirmativo, o invasor certamente será destruído. O pensamento de cada russo trabalhou nesse resultado. O esmagador alcance do movimento partidário, o patriotismo e o amor da pátria originaram o "clube da guerra das pessoas", que destruiu os inimigos.

Leo Tolstoi orgulha-se do poder militar do exército russo, multiplicado pelo patriotismo e dedicação do resto da população do estado russo. O herói-pessoal juntou-se à nobreza russa durante os anos de guerra para eliminar o inimigo. Os melhores representantes da nobreza da Rússia chegaram às massas, entre eles Pierre Bezukhov e Andrei Bolkonsky, Natasha Rostova e Vasily Denisov.

A imagem de Kutuzov

O herói da guerra com Napoleão, Mikhail Illarionovich Kutuzov, era inseparável de seus soldados, foi o que lhe deu força. O comandante não recebeu apoio moral do imperador, ele foi odiado secretamente, mas Kutuzov não precisava de lealdade ao ambiente real, ele tinha uma fonte de inspiração muito mais poderosa – o exército, soldados e oficiais leais. O marechal de campo geral Kutuzov ganhou, cumprindo a vontade do povo russo, bem consciente do objetivo que ele enfrenta e de todo o país.

Publicações

As características da novela "Guerra e Paz" revelam o poderoso potencial da sociedade russa, cuja história não conhece a escravização. Miradouro de ambições como Napoleão, seu bombástico, exceto por vergonha, nada. O confronto militar histórico termina inevitavelmente com a vitória do povo russo.

Em 1865, a revista Russky Vestnik publicou as duas primeiras partes do romance intitulado 1805. A edição completa do trabalho de época "Guerra e Paz" de Tolstoi, em seis volumes, foi publicada em 1869.

Lev Nikolaevich Tolstoy, o romance "Guerra e Paz" para sempre entrou no fundo dourado da literatura mundial.